Empresários fazem encontro virtual com o governo e discutem doação de vacinas ao SUS

Empresários fazem encontro virtual com o governo e discutem doação de vacinas ao SUS

Empresários brasileiros querem comprar vacinas para a Covid-19. E para isso estão dispostos a doar uma parte para o governo. A proposta foi feita nesta quarta-feira (13), em uma reunião virtual com o ministro-chefe da Casa Civil, Braga Netto, o ministro das Comunicações, Fábio Faria, e o secretário-executivo do Ministério da Saúde, Élcio Franco.

Participaram do encontro cerca de 30 empresários e executivos de algumas das maiores empresas brasileiras que fazem parte do Conselho Superior Diálogo pelo Brasil da Fiesp (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo).

Entre os participantes estavam Cândido Pinheiro Koren de Lima, fundador e presidente do Grupo Hapvida, Luiz Carlos Trabuco Cappi, presidente do conselho de administração do Bradesco, Dan Ioschpe, presidente do conselho da Iochpe-Maxion, Elie Horn, fundador da Cyrela, Flávio Rocha, presidente do conselho de administração do Grupo Guararapes, que inclui as Lojas Riachuelo, Jerome Cadier, presidente da companhia aérea Latam, Rubens Menin, co-fundador e chairman da MRV Engenharia, bem como Victorio De Marchi, co-presidente do conselho de administração da Ambev.

Segundo pessoas que participaram do encontro, que falaram com a condição de seus nomes permanecerem em sigilo, a iniciativa era apoiar de forma mais ampla o programa de vacinação.

Pela proposta, empresas compram doses para vacinar seus funcionários e familiares e lotes adicionais para fazerem doações para o SUS (Sistema Único de Saúde). Não houve a discussão de montantes.

O governo agradeceu a iniciativa, relatam, mas deixou claro que não precisa da doação de vacinas, pois já garantiu um volume suficiente para imunizar toda a população. O desafio será, também segundo relatos de participantes do encontro, montar o calendário de vacinação e agilizar toda a burocracia que faz parte do processo.

A vacinação se tornou uma questão econômica para as empresas.

A maior parte da força de trabalho reúne pessoas com idade entre 20 e 50 anos -grupos etários que não são prioritários para receber a vacina contra a Covid-19. O setor privado manifestou o interesse em participar do processo e agilizar a imunização, arcando com os custos.

O Bradesco, por exemplo, possui mais de 100 mil funcionários. A Ambev e a Latam têm cerca de 50 mil cada uma, o Grupo Guararapes, 40 mil, MRV e Cyrela têm juntas cerca de 20 mil funcionários.

Apesar da sugestão, os representantes do governo afirmaram que já possuem cerca de 500 milhões de doses garantidas. E que não seria necessário a participação da iniciativa privada para a compra de novas doses.

Nesta quarta-feira (13), o Ministério da Saúde afirmou que avalia marcar o início da imunização contra a Covid em um evento no Palácio do Planalto na próxima terça (19) com governadores.

As empresas também colocaram à disposição seus espaços físicos, caso o governo precise de locais de vacinação.

 

 

 

 

CATEGORIAS
Compartilhar